sexta-feira, 29 de agosto de 2008

A maior das frases machistas

Uma das melhores características do nosso tempo é que (alguns de nós) já fomos absolvidos da atitude preconceituosa das gerações passadas. E aí dá pra fazer piada de negro, mulher, judeu, sempre como crítica anedótica à sociedade anterior.

Na categoria mulheres, minha frase preconceituosa favorita saiu da boca do escritor Melvin Udall, o personagem de Jack Nicholson no magistral As Good As It Gets/Melhor É Impossível (1997), dirigido por James L. Brooks, um dos autores de The Simpsons.

A cena: a recepcionista da editora de Udall declara toda sua admiração pela obra do escritor, naquele sempre constrangedor momento de fã. "Oh, it's nightmare", resmunga Udall. A recepcionista, então, pergunta como ele consegue descrever tão bem a alma feminina.

A resposta, demolidora:

I think of a man, and I take away reason and accountability.


Em imagens - o momento está no final, em 1min6seg.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Teses da Idade Sóbria



O taxista que me levou do trabalho para casa hoje ouviu de um colega uma boa hipótese para uma constatação empírica:

O movimento dos táxis à noite não aumentou depois da lei da Idade Sóbria, como se imaginava.

A hipótese - em exemplos, como fala o povo - é a seguinte:

"Antes, o cara saía de carro pra noite e levava mais dois, três amigos. Aí, por exemplo, o cara arranjava uma mina e fazia o quê? Voltava mais cedo pra casa, com o carro. Os outros três acabavam ficando a pé e tinham que pegar táxi depois."

Ou seja: o sexo, na Idade Ébria, era a maior fonte de renda do táxi.
***

A vanguarda literária dos choferes de carros de praça: http://www.taxitramas.blogger.com.br/

Macanudo


Ricardo Liniers, um dibujante genial.
Dá uma espiada nas historietas dele aqui e aqui.

domingo, 24 de agosto de 2008

Pax et veritas


(Cementerio de la Recoleta, Buenos Aires, 1/8/2008)
Se a paz e a verdade estão mesmo aí dentro, que alguém abra logo essa merda de porta.

Mais do que a obrigação

Qualquer objeto, olhado por um sujeito maluco, pode se transformar em metáfora da vida.

Em uma partida de vôlei, todos os pontos são disputados com um time em vantagem. Afinal, um está defendendo - o time que sacou - e outro está atacando - o time que recebeu o saque. O time que ataca tem uma obrigação, a obrigação de fazer o ponto.

É a oportunidade. Não pode ser perdida.

Acontece que, fazendo só a obrigação, ninguém ganha. Os times têm oportunidades alternadamente; um primeiro, outro depois. Mas é preciso fechar o set com uma vantagem de 2 pontos, ou seja, é preciso, em pelo menos em uma oportunidade, fazer mais do que a obrigação.
Fazer mais do que a obrigação exige atenção, esforço acima do padrão, senso de oportunidade, habilidade.

O time que está defendendo saca. O que está atacando, e tem a oportunidade, recebe/levanta/corta. A bola cortada vai rumo ao imprevisível. A defesa, em desvantagem, precisa prever o imprevisível, ou ter sorte, ou executar um movimento inexequível. Se conseguir, terá a oportunidade de fazer o ponto. Mais do que a obrigação.

Hoje, quem fez foi os Estados Unidos. Prata para o Brasil.


(FIVB/Divulgação)

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Condição contemporânea

Nasci e já estou desatualizado.